Decepção amorosa



"Viver é ser outro. Nem sentir é possível se hoje se sente como ontem se sentiu: sentir hoje o mesmo que ontem não é sentir - é lembrar hoje o que se sentiu ontem, ser hoje o cadáver vivo do que ontem foi a vida perdida." Fernando Pessoa


Como lidar com a dor da decepção amorosa? Primeiramente, acolher essa dor, quando se está em sofrimento, não adianta fugir dele vivenciando situações superficiais. É importante mergulhar na dor da perda, entrar em contato com ela, pois na maioria das vezes a dor é tão grande, quase comparada à dor da perda pela morte. Assim sendo, vive-se um período de luto, que deve ser aceito, para que haja transformação; lembrando que aquilo que não aceitamos não se transforma, permanece petrificado por sentimentos negativos, e a tendência é repetir, com o tempo, outro sentimento semelhante, em um novo relacionamento, pois a lição não foi aprendida, o sentimento não foi transformado, e lá vem outro relacionamento parecido, que só se revelará como quase igual ao anterior, quando os véus da paixão inicial começarem a cair, e a realidade de cada um se manifestar.


Apesar de tão difícil no momento, esforce-se para voltar para si mesmo(a), boa parte da decepção acontece porque coloca-se a vida na mão da outra pessoa, como se você não fosse mais dono de si mesmo, você vive e respira o outro, a dor da partida é a evidência que um pedaço de você foi levado pela outra pessoa. Nesse momento, em um esforço sobre-humano, resgatando o herói ou heroína que existe em si, RESGATE-SE de volta a si mesmo. Seja capaz de tamanho amor por si mesmo, APROPRIE-SE de si. Volte a fazer tudo que gosta sem depender de ninguém, tenha GRATIDÃO pela pessoa maravilhosa que você é.


Lembre-se sempre, a partir do momento que você se amar verdadeiramente, o amor caminha na sua direção, e você estará pronto(a), para vivenciar o amor que conduz à felicidade.


Silvia Marto

  • Facebook Basic Black

Silvia Marto

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon

©2016 por P@t Estúdio. Silvia Marto Todos os direitos reservados.